Arquivos da Categoria: Opinião



Uma nova Lei Áurea

Compartilhe:

Compartilhe:
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Google Buzz
  • Live
  • PDF
  • Posterous
  • Tumblr

MAIORIDADE PENAL

Por Ariovaldo Ramos   Compartilhe:

Compartilhe:
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Google Buzz
  • Live
  • PDF
  • Posterous
  • Tumblr

A CASA CAIU

“Tem sempre o dia em que a casa cai”, dizia o poeta. Já na Bíblia tá escrito que “nada há encoberto que não venha a ser revelado”, palavras de Jesus. Dizem também que foi Abraham Lincoln quem ensinou que “você pode enganar a todos por algum tempo, alguns o tempo todo, mas jamais enganará todos por todo o tempo”. Na minha juventude ouvia meu pastor aterrorizando a rapaziada: “O diabo ajuda a fazer, mas não ajuda a esconder”. Depois de algum tempo, fiquei com a opção positiva: “Deus repreende os filhos a quem ama”, e nesse caso, quem gosta mesmo de trazer as coisas para a luz é Deus, que tem absoluto interesse em interromper caminhos de destruição e dar novas oportunidades a quem quer que seja. Infelizmente já vi a casa de muita gente cair. Aprendi que na hora da crise, do desmascaramento, do flagrante ou da denúncia, quando o pecado é revelado e os esqueletos do armário passam a desfilar na calçada, as pessoas se revelam de fato. Algumas poucas bem aventuradas escolhem o caminho da confissão sem justificativas, racionalizações ou transferências de responsabilidades, e simplesmente exclamam “minha culpa, minha culpa, minha máxima culpa”. E depois se entregam a atitudes como pedir perdão, promover reparações e restituições, se humilhar em silêncio diante das vítimas que agridem em revolta vingativa, buscar conselheiros sábios, se submeter à disciplina dos justos (antes de reagir leia o Salmo 141.5), não apressar o tempo de sua própria restauração, vestir saco e cinzas, e calar todas as reivindicações de eventuais direitos que julga possuir. Tudo isso, evidente e muito provavelmentemente, regado a muitas lágrimas e noites em claro. Os anos me ensinaram que quando a casa cai, o caminho mais curto e o prazo mais breve da restauração implica seguir o conselho do apóstolo (1Pedro 5.6 – AMensagem): “Contentem-se com o que são (digo, admitam o que são) e não empinem o nariz. A mão de Deus é forte e está sobre vocês. Ele os exaltará no tempo certo. Vivam sem preocupação na presença de Deus: ele toma conta de vocês”. Compartilhe:

Compartilhe:
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Google Buzz
  • Live
  • PDF
  • Posterous
  • Tumblr

PELO DIREITO DE DISCORDAR!

Por Ariovaldo Ramos Fui advertido de que nesse momento, que estamos vivendo na Igreja evangélica brasileira, discordar do Presidente do CDHM, em exercício, é concordar com o movimento GLBTS, e vice versa. Discordo! Eu respeito o irmão e oro por ele, mas, discordo da forma como o Deputado está conduzindo o mandato que recebeu de seus eleitores. Eu respeito os seres humanos que optaram pela homossexualidade, mas, entendo que os direitos que estão a reivindicar já estão contemplados nos direitos da pessoa humana, cobertos por nossa constituição, e que o que passa disso constitui reclamos por privilégios, o que não é passível de ser concedido numa democracia, sob pena de contradize-la. Eu respeito o direito das uniões homossexuais terem garantida, pelo Estado, a preservação do patrimônio, por eles construídos, quando da separação ou do falecimento de um dos membros da união. Entretanto, discordo que seja possível transformar uma união voluntária de duas pessoas do mesmo sexo, a partir de opção comum e particular, em casamento, pois isso insinua haver um terceiro gênero na humanidade, o que não se explicita na constituição do ser humano. Assim como não entendo que a conjunção da maternidade e da paternidade, necessária para um desenvolvimento funcional do infante humano, seja substituível por mera boa vontade. Eu respeito e exerço direito de pregar o que se crê, mas discordo do pregador, quando diz que Deus matou John Lennon ou aos Mamonas Assassinas, por terem desacatado o Altíssimo, como se o pecado humano não o fizesse desde sempre. A Trindade matou a todos os que a desacatam, em todo o tempo, no sacrifício do Filho, manifesto por Jesus de Nazaré (1Pe 1.18-20), na Cruz do Calvário, oferecendo a todos o perdão e a ressurreição. Eu respeito o direito de ter religião e o reivindico sempre, mas, discordo de taxar como agentes do inferno quem não concorda com o que penso, como se Deus, por sua graça, não estivesse, desde sempre, cuidando que a raça humana não sucumbisse à rebeldia inerente à sua natureza, o que explica o triunfo do bem frente a maldade explícita. Por isso discordo do pregador quando afirma que o sucesso de um artista, a quem Deus, por sua graça, cumulou de talentos, como Caetano Veloso, só se explique por ter feito pacto com o diabo. Como se ao adversário de nossas almas interessasse qualquer manifestação do Belo. Eu respeito e pratico o direito ao livre exame das Escrituras Sagradas, conquistado pela Reforma Protestante, e, por isso, enquanto respeito o direito do teólogo expressar suas conclusões, discordo do teólogo quando suas considerações sobre o significado de profecias do texto que amo e reverencio, não corresponderem ao que entendo ser uma conclusão pautada pelas regras da interpretação bíblica, assim como, no meu parecer, ferirem a uma das maiores revelações desse Livro dos livros: Deus é Pai de todos, está em todos e age por meio de todos (Ef 4.6). Reconheço a qualquer ser humano o direito de protestar contra o que não concorda, mas, nunca em detrimento do direito do outro, o que inclui o direito ao culto. Uma coisa é discordar do político outra coisa é cercear o direito do religioso, e de quem o convide para participar de um culto da fé que pratica. Uma coisa é denunciar o político por suas posturas, outra, e inadmissível, é atentar contra a integridade física ou emocional dele e dos seus. Não admito, contudo, como cristão, ser sequestrado no direito de discordar, ou ser tratado como se fosse refém das circunstâncias, sejam elas quais forem. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou (Gl 5.1). Lamento que haja, entre os cristãos, quem trate a nossa fé como se fosse frágil e necessitada de proteção. Nossa fé foi preponderante na construção do Ocidente, e resistiu às mais atrozes perseguições. Nós sempre propugnamos pela liberdade. Nós impusemos a Carta Magna ao Principe John, na Inglaterra; construímos o Estado Laico na revolução americana, quando, numa nação majoritariamente cristã, todas as confissões religiosas foram tidas como de direito. Nós lutamos entre nós pelo fim da escravidão, seja na guerra da Secessão, seja por meio de Wilberforce, premier Inglês, e de tantos outros movimentos. Nós denunciamos e enfrentamos os que entre nós quiseram fazer uso da nossa fé para legitimar a opressão. Os maiores movimentos libertários nasceram em solo cristão, e mesmo quando renegavam ao que críamos, não havia como não reconhecer a nossa contribuição à emancipação humana. Nós construímos uma sociedade de direitos, lutamos por e reconhecemos direitos civis, e não podemos abrir mão disso; não podemos abrir mão da civilização que ajudamos a construir e a solidificar, onde mulheres, homens e crianças são protegidos em sua integridade e garantidos em seus direitos. Na democracia que ajudamos a reinventar, onde cada ser humano vale um voto, tudo pode e deve ser discutido segundo as regras da civilidade. Nossa fé foi construída por gente que foi a toda luta que entendeu justa, pondo em risco a própria vida, e por mártires, por gente que se recusou a matar, por gente que não capitulou diante do assassínio, pois nós cremos que Deus é amor, e que o amor de Deus é mais forte do que a morte (Rm 8.38). E por amor a Deus e ao seu Cristo lutamos pela unidade e pela liberdade da humanidade. Compartilhe:

Compartilhe:
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Google Buzz
  • Live
  • PDF
  • Posterous
  • Tumblr

TOQUEDEBOLA

Meu bisavô contou pro meu avô, que contou pro meu pai, que contou pra mim. O velho jurava que o futebol havia sido inventado na Letônia, mas ficou famoso depois que um inglês passou por lá e levou embora o ludopédio para as terras da Europa Ocidental. Contava que na origem o futebol chamava toquedebola, isso mesmo, tudo junto, porque era jogado com os pés e as mãos. Não tinha esse negócio de cartão amarelo para quem metia a mão na bola e ninguém ficava discutindo se o toque havia sido intencional ou acidental, interferido no lance ou não. A coisa era mais simples. O barato era colocar a bola no gol do adversário e valia tudo, gol de cabeça, de barriga, de canela, e de mão. Valia até gol com o pé. A única coisa esquisita é que gol de destro com o pé esquerdo valia dois, e vice-versa. Meu velho bisavô iria estranhar o futebol de hoje. Mas meu avô sabia contar direitinho como a coisa tinha degringolado. Quando o tal toquedebola começou a ser praticado dentro das fábricas inglesas, lá nos tempos da tal revolução industrial, os caras aproveitavam o pouquinho tempo do almoço e jogavam usando as botas pesadas de trabalho. As disputas eram acirradas e começou a acontecer que bota contra mão dava muita confusão. Foi aí que um esperto inventou a regra de proibir toque de mão. Dali em diante a coisa passou a ser só mesmo pé na bola. Depois que o toquedebola ganhou as ruas, já não eram necessárias as botas, mas um bom calçado caía bem. Inventaram a tal chuteira. Meu avô contava que existiam alguns grupos de resistência, que praticavam o toquedebola original, com pé e mão. Tinha até campeonato. Mas surgiu uma tal de uma fábrica que patenteou a chuteira e espalhou a notícia de que o pessoal que jogava toquedebola, com pé e mão era mal intencionado, estava desvirtuando a coisa e trabalhando contra a tradição, e ao final poderia até mesmo destruir as ligas e acabar com os campeonatos de futebol. Distribuiram folhetos contando uma história mentirosa, dizendo que nunca houve quem praticasse futebol com a mão, e que por isso mesmo a coisa chamava “football”. Claro que omitiram a história de que na origem a coisa chamava toquedebola. Como eram poucos os imigrantes que conheciam a história original, a mentira inventada pelos que lucravam com a venda de chuteiras foi sendo cada vez mais disseminada. Com a morte dos velhinhos, meu bisavô inclusive, acabou prevalecendo a ideia de que toquedebola é uma heresia e que o futebol sempre foi jogado somente com os pés. Moral da história. Quando alguém descobre um jeito de lucrar com alguma coisa, dá um jeito de inventar uma história que favoreça seu lucro. Todo mundo que discorada da história é considerado herege. Não importa se os que discordam da história dos que lucram com a coisa tenham razão. O que importa é o lucro. Compartilhe:

Compartilhe:
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Google Buzz
  • Live
  • PDF
  • Posterous
  • Tumblr

Santa Maria

Compartilhe:

Compartilhe:
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Google Buzz
  • Live
  • PDF
  • Posterous
  • Tumblr

Delírio e mau caráter

Por Contardo Calligaris 1) CONTINUO pensando em Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, o canibal do agreste. Ele tem uma visão do mundo que justifica sua vida e seus atos. Com suas duas companheiras, ele era encarregado de uma missão divina: devia encontrar mulheres perdidas e purificá-las. Essa purificação passava pelo assassinato e pela ingestão da carne das escolhidas. A visão e a missão de Jorge eram delirantes, mas o que é um delírio? O senso comum e a psicopatologia concordam: delírio é uma convicção inquestionável, incorrigível e muito pouco plausível. Além disso, um delírio não é apenas um exercício de fantasia, ele preenche a função (crucial) de dar sentido à existência do indivíduo que delira. São poucas as pessoas saudáveis a ponto de conseguir viver sem se atormentar com a necessidade de resolver, como se diz, o enigma da vida. Ou seja, são poucas as pessoas para quem a experiência concreta se justifica por si só, pela alegria de viver. A maioria precisa recorrer a crenças que digam por que e para o que estamos aqui. Ora, as crenças que explicam nossa razão de estar no mundo são todas inverossímeis. Claro, a “missão” canibalesca de Jorge nos parece mais estranha do que a crença de um cristão, mas isso pouco tem a ver com a verossimilhança. Como dizer o que é mais provável, que o filho de Deus tenha sido crucificado para nos redimir ou que Deus nos encoraje a redimir os pecadores filtrando-os pela nossa digestão? No fundo, a grande diferença é que as ideias de Jorge são só dele e de suas duas cúmplices, enquanto as ideias de um cristão são compartilhadas por 2 bilhões de pessoas. Por mais que seja pouco plausível, uma crença cessa de ser delírio quando ela se socializa. A definição de delírio (no “Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais”, DSM-IV) diz que uma pessoa não pode ser diagnosticada como delirante se sua crença é “normalmente aceita por outros membros da cultura ou da subcultura dessa pessoa” -”um artigo de fé religiosa” não pode ser um delírio. Síntese paradoxal: uma religião individual é um delírio, e um delírio coletivo deixa de ser delírio e se torna uma religião. É um pouco frustrante dispor só de critérios quantitativos para decidir o que é delirante. Mas talvez a capacidade de compartilhar uma crença com outros já seja o sinal de uma certa “normalidade”. 2) Jorge e suas companheiras são loucos e delirantes. Será que a loucura e o delírio dispensam qualquer juízo moral? Será que, moralmente, todo delírio se vale? Não estou convencido disso. Entendo que a urgência de dar sentido à vida leve alguém a escolher uma religião ou, se ele não conseguir, a elaborar um delírio próprio. Mas cada um é responsável pela qualidade da religião que escolhe ou do delírio que ele elabora. Comparemos religiões. Posso acreditar que Deus me reconhecerá como seu filho à condição que eu leve uma vida ilibada e, a cada noite, eu me açoite, no silêncio do meu quarto. Ou, então, posso acreditar que ele me reconhecerá como filho à condição que eu desmascare, prenda e execute os pecadores, mundo afora. Comparemos delírios. Posso acreditar que Deus quer que eu mude de sexo. Ou posso acreditar que Deus me encarregou de andar com pinças e bisturi no bolso, para mudar o sexo dos outros. Conclusão: uma religião ou um delírio segundo os quais os outros deveriam pagar para que MEU mundo faça sentido são, no mínimo, provas de mau caráter. 3) Dúvida diagnóstica. Os canibais do agreste chamaram a atenção da polícia quando usaram o cartão de crédito de uma das vítimas. Isso era também parte do “ritual de purificação”? Consideremos ainda uma frase do memorial de Jorge, descrevendo o fim da primeira das três vítimas: “Eu, Bel e Jéssica nos alimentamos com a carne do mal, como se fosse um ritual de purificação, e o resto eu enterro no nosso quintal, cada parte em um lugar diferente”. Em tese, um delírio diria que aquilo ERA, sem sombra de dúvida, o ritual de purificação -nada de “como se fosse”. Se o tribunal me consultasse como perito, talvez eu alegasse o estelionato e essa frase para afirmar que Jorge não é um louco, mas um perverso, que manipulou duas abobadas e deixou alguns escritos, tudo com a intenção de urdir crimes sinistros e de ser reconhecido (e assim “desculpado”) como louco. [Fonte: Folha de S.Paulo, 26 de abril de 2012, Ilustrada] Compartilhe:

Compartilhe:
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Google Buzz
  • Live
  • PDF
  • Posterous
  • Tumblr